David Bowie - Músico

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

David Bowie - Músico

Mensagem por Pikuz em Seg 9 Jul 2007 - 15:13

Para duas pessoas que adoram este senhor...

Um homem que com quarentas e quase vintes anos ( ) que ainda dá muitas lições á malta nova, de como a idade é realmente um estatuto.

Nascido a 8 de Janeiro de 1947 em Brixton, David Robert Jones fez a sua primeira performance em 1964, continuando hoje aínda a dar cartas num mundo em que tem vivido, sobrevivido, e que quase lhe custou a vida.



O primeiro instrumento que tocou foi o saxofone, com apenas 12 anos, tendo a sua primeira actuação com apenas 16 anos. A sua primeira banda (na qual ele tocava o seu intrumento de eleição na altura) foram os Davy Jones and The King Bees, que mais tarde viriam a ser conhecidos como os The Monkees, e Davy Jones mudaria o seu nome para David Bowie, mas aínda havia um longo caminho a percorrer por David até ele atingir o reconhecimento do público.

Com o lançamento do primeiro álbum a solo, intitulado David Bowie em 1967, a sua vida iria lentamente a começar a sofrer mudanças.
Desde a entrada para um mosteiro budista, até o início dos estudos para Mimo, David passou dois anos da sua vida entre escolas, casas, sítios, vidas.

Em 1969 ele decide voltar para a música, e é com Man of words / Man of Music, que Bowie dá mais um pequeno-grande salto. O álbum não foi muito aceite, mas nesse álbum figura uma música que ainda hoje marca a vida de muitas pessoas Space Oddity, que se tornou num verdadeiro hino para as camadas jovens da altura.

A vida de Bowie cruza-se então com a de Mick Ronsen – guitarrista da Banda T-Rex – e juntos iniciam um trabalho que dará origem a The Man who Sold the World.

Segue-se um período de criações sucessivas, conjuntamente com o seu casamento com Angela Barnett, e o nascimento do seu filho Zowie.
Bowie entretanto vai trabalhando com nomes como Rick Wakeman, tendo como influências principais Anthony Newley, Bob Dylan, Mick Jagger e Lou Reed.

É em 1972 que Bowie cria uma personagem que o empurrou para uma divulgação que ele não esperava: Ziggy Stardust.



Uma estrela de rock andrógena e bissexual, vinda de outro planeta. O nome foi criado pelo próprio Bowie, inspirado no nome do seu amigo Iggy Pop (conhecido na altura como Iggy Stoogie).

Ziggy foi o mote para a declaração pública de Bowie como bissexual. O seu casamento com Angela tornou-se numa relação aberta, tendo Bowie mantido relações com vários homens e mulheres.
Ele encontrava-se agora no centro das atenções do mundo do glam-rock, marcando cada vez mais Ziggy Stardust como um ícone do mesmo.
Segue-se um trabalho de tal modo forte que mesmo sem Ziggy Stardust teria tido o mesmo impacto: The Rise and Fall of Ziggy Stardust and the Spiders from Mars.
Um concept-album que atingiu o público numa altura em que se pensava que nada poderia surpreender. Bowie passou a ser Ziggy dentro e for a do palco. O álbum foi aclamado pela crítica e pelo publico como um dos melhores álbuns rock de todos os tempos.

A partir daqui a vida de Bowie começou uma ascensão que parecia imparável.

Todo o mundo idolatrava Ziggy Stardust e os Spiders (assim foi rebatizada a banda que acompanhava Bowie), e ninguém esperava a notícia dada por Bowie no final de um concerto em Londres, quando corria o ano de 1973: aquele não só seria o último concerto da tournée, como seria o último concerto de Ziggy Stardust.

Todos pensavam que o fim de Ziggy implicaria o fim de David Bowie, mas ele provou ao mundo precisamente o contrário. Continuaram os sucessos, continuou a fiel legião de fãns, que não só apoiava as excentricidades como as copiava.

Bowie decide fazer então mais uma experiência, desta vez no mundo da 7ª arte.
Quando todos esperavam mais um look irreverente, Bowie surge com o cabelo curto, e vestido em fato completo qual mafioso dos anos 30, no filme The Man who fell to the Earth.



Bowie “dança” agora entre a música e o cinema, continuando os lançamentos sucessivos de novos trabalhos, com colaborações de nomes como Brian Eno, e mais tarde com os próprios Queen.

É em 1983 (depois de incursões em filmes e até nos palcos da Broadway), que Bowie regressa mais uma vez em força, com o hit-album Let’s Dance, onde surge a participação de um então desconhecido Stevie Ray Vaughan na guitarra.

Continuam as associações com nomes como Tina Turner, Martha and The Vandellas, e o seu amigo de longa data Mick Jagger.

Em 1987 sai o primeiro Greatest-Hits: Sound and Vision, como comemoração dos vinte anos de carreira.

No início dos anos 90 Bowie “desaparece”, lançando três álbuns de rock alternativo que não têm uma grande aceitação pelo público.
E faz questão em pôr termo ao seu comportamento bissexual, assumindo-se unicamente como heterosexual, que de novo veio provocar ondas de surpresa entre os que estavam habituados á excentricidade deste homem.

Em ’93 casa-se pela segunda vez, com a super-modelo Iman, e forma uma label própria chamada Savage, que cai na bancarrota pouco tempo depois.

Bowie continua incessantemente a trabalhar em música, desta feita em OST’s, sempre ou quase sempre com a colaboração de Brian Eno, e em 1996 vê o seu nome reconhecido no Rock’n’Roll Hall of Fame.

As reviews positivas regressam em 1998, aquando do lançamento do álbum com sonoridades electrónicas The Earthing, e em 1999 lança The Hours

Em 2003 re-lança a Banda Sonora de Ziggy Stardust, conjuntamente com o seu último trabalho Reality.

Enfim, a vida deste senhor realmente dava um filme (não sei se já fizeram ou estão a pensar em fazer), mas foi e é uma louca vida de sucessos e infortúnios, com incursões por musicalidades tão díspares como são os musicais da Broadway, o glam-rock, rock-alternativo, musica electrónica, que continuam ainda hoje a supreender o mundo.

Pretendo com esta pequena parte da história de David Bowie aguçar-vos o apetite para ouvirem e verem este DVD:



Disc 1:
Oh! You Pretty Things (from Old Grey Whistle Test),
Queen Bitch (from OGWT),
Five Years (from OGWT),
Starman (from Top of the Pops),
John I'm Only Dancing,
The Jean Genie,
Space Oddity,
Drive-in Saturday (from Russell Harry Plus Pop),
Life on Mars?,
Ziggy Stardust (from the motion picture),
Rebel Rebel (from TopPop),
Young Americans (from the Dick Cavett Show),
Be My Wife,
"Heroes,"
Boys Keep Swinging,
D.J.,
Look Back in Anger,
Ashes to Ashes,
Fashion,
Wild Is the Wind,
Let's Dance,
China Girl,
Modern Love,
Cat People (Putting Out Fire) (from Serious Moonlight Tour),
Blue Jean,
Loving the Alien,
Dancing in the Street (with Mick Jagger)

Disc 2:
Absolute Beginners,
Underground,
As the World Falls Down,
Day-In Day-Out,
Time Will Crawl,
Never Let Me Down,
Fame '90,
Jump They Say,
Black Tie White Noise,
Miracle Goodnight,
Buddha of Suburbia,
The Heart's Filthy Lesson,
Strangers When We Meet,
Hallo Spaceboy,
Little Wonder,
Dead Man Walking,
Seven Years in Tibet,
I'm Afraid of Americans,
Thursday's Child, Survive

Pikuz
Estatuto:
Estatuto:

Masculino
Número de Mensagens : 4898
Idade : 30
Localização : Por aí...
Profissão : Sempre divertido
Ranking de torneios : : 2
:0 : 0
Data de inscrição : 04/07/2007

http://www.alcanena.pt.vu

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum